Busca:     


Golpe à universidade

L√ļcio Fl√°vio Pinto - Mar√ßo 2018
 


"O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil": eis um excelente tema para um debate de grande significado na conjuntura atual do pa√≠s, com a participa√ß√£o dos que s√£o a favor e contra essa interpreta√ß√£o do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mas transformar esse tema em disciplina acad√™mica nas universidades n√£o √© apenas um abuso e um desvio de finalidade das institui√ß√Ķes de ensino superior, sobretudo as p√ļblicas: √© uma deslavada desonestidade intelectual. Um ato partid√°rio que avilta a autonomia universit√°ria e viola a mais nobre raz√£o de ser da academia.

Seguindo exemplo nada edificante de outras universidades, o movimento chegou √† Faculdade de Comunica√ß√£o da UFPA, segundo informa a professora Rosaly Brito a O Liberal. Nesse caso, a disciplina n√£o resiste ao mais elementar questionamento metodol√≥gico. O t√≠tulo, que transforma um instrumento constitucional (o impedimento da presidente da rep√ļblica por crime de responsabilidade) em golpe inconteste, j√° atesta o desvio ideol√≥gico da disciplina, seu vi√©s anticient√≠fico, seu car√°ter totalit√°rio, sua avers√£o √† diversidade e pluralidade. Evidentemente, n√£o pode ser inclu√≠do na estrutura curricular de um curso de comunica√ß√£o social.

Espero que a inteligência e a honestidade intelectual provoquem o aborto assistido desta má ideia.

Ah, a democracia! 

Reproduzo a seguir uma nota de solidariedade à minha querida (ex?) amiga Rosaly Brito, colega de profissão jornalística e de mister no magistério. A solidariedade é em função do que aqui escrevi, criticando iniciativa atribuída a Rosaly. As entidades solidárias não me enviaram a nota, embora a tenham colocado em circulação. Eu a recebi de terceiros. Publico-a mesmo assim, sem comentários adicionais, para que sobre a nota se manifestem os interessados (LFP).

O Instituto de Letras e Comunica√ß√£o (ILC), a Faculdade de Comunica√ß√£o (Facom), o Programa de P√≥s-Gradua√ß√£o em Comunica√ß√£o, Cultura e Amaz√īnia (PPGCom) e o Grupo de Pesquisa em Comunica√ß√£o, Pol√≠tica e Amaz√īnia (Compoa), da Universidade Federal do Par√° (UFPA), manifestam-se em solidariedade √† professora Rosaly Brito, mencionada de forma desrespeitosa em artigo do jornalista L√ļcio Fl√°vio Pinto, que define como "desonestidade intelectual" a proposta de cria√ß√£o de disciplina optativa nessa Faculdade sobre M√≠dia e Golpe no Brasil.

Essa iniciativa √© parte de um amplo movimento das universidades p√ļblicas brasileiras em defesa da liberdade de c√°tedra, da autonomia universit√°ria e da necessidade de reflex√£o sobre os acontecimentos pol√≠ticos recentes no pa√≠s. O movimento teve in√≠cio ap√≥s amea√ßa de retalia√ß√£o do Minist√©rio da Educa√ß√£o (MEC) ao Professor Luis Felipe Miguel, da Universidade de Bras√≠lia (UnB), por disciplina sobre esse tema ofertada no Instituto de Ci√™ncia Pol√≠tica da UnB. Envolve, portanto, um conjunto de professores (as) e pesquisadores (as) renomados (as), com estudos consistentes na √°rea de Comunica√ß√£o e Pol√≠tica e em v√°rias outras disciplinas das humanidades.

O jornalista L√ļcio Fl√°vio Pinto tem um trabalho de reconhecida e ineg√°vel import√Ęncia na defesa da Amaz√īnia e j√° participou de in√ļmeras atividades acad√™micas na Facom, inclusive como professor. No artigo, contudo, sem demonstrar informa√ß√Ķes aprofundadas sobre a iniciativa, refere-se de modo ir√īnico e desrespeitoso aos professores que prop√Ķem essa disciplina optativa e √† pr√≥pria Faculdade de Comunica√ß√£o.

Reafirmamos o compromisso do ILC, da Facom, do PPGCom e do Compoa com o pensamento crítico, com a autonomia universitária e com a necessária reflexão sobre a conjuntura política atual do país, que em muitos sentidos constitui uma afronta à democracia brasileira.

----------

L√ļcio Fl√°vio Pinto √© o editor do Jornal Pessoal, de Bel√©m, e do blog Amaz√īnia hoje ¬Ė a nova col√īnia mundial. Entre outros, √© autor de O jornalismo na linha de tiro (2006), Contra o poder. 20 anos de Jornal Pessoal: uma paix√£o amaz√īnica (2007), Mem√≥ria do cotidiano (2008) e A agress√£o (imprensa e viol√™ncia na Amaz√īnia) (2008).

----------

Greve em debate: menos grito e mais trabalho
Todos s√£o mesmo iguais?
Perigos à vista
Corrupção: buraco sem limite?
A publicidade oficial






Fonte: Jornal Pessoal & Gramsci e o Brasil.

  •